[et_pb_section admin_label="section"][et_pb_row admin_label="row"][et_pb_column type="4_4"][et_pb_text admin_label="Texto" background_layout="light" text_orientation="left" use_border_color="off" border_color="#ffffff" border_style="solid"]

“Respeito e amizade, isso é integração. Unilab é união”, cantaram alunos da Universidade ao fim da cerimônia de formatura da segunda turma de Humanidades da Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), que teve o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como patrono. A grande festa com a presença ilustre aconteceu na noite desta sexta-feira (18), em São Francisco do Conde (BA).

A formatura fez parte da agenda do ex-presidente em suas viagens pelo interior da Bahia no segundo dia de Lula pelo Brasil. Neste sábado (19), ele estará em Feira de Santana, também na Bahia.

A riqueza e o diferencial da Unilab são representados pelo funcionamento da instituição, que é baseado na cooperação solidária e na parceria com outros países, especialmente africanos membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Os cidadãos altamente capacitados e dotados de pensamento crítico que ali são formados formam um mosaico de referências, repertórios e culturas que compõem, nas palavras do próprio Lula, uma lição de vida.

O convite para ter Lula como patrono da turma partiu dos próprios estudantes, que esboçavam em largos sorrisos a emoção de receber o tão esperado canudo das mãos de quem não só trabalhou para construir esse sonho, mas sonhou junto, a cada passo, até torná-lo realidade.

Ao som de canções que iam de clássicos de Raul Seixas a funk (“E poder me orgulhar de ter a consciência que o pobre tem seu lugar”), de rap a MPB e canções africanas, alunos, alunas e familiares subiam, um a um, ao palco para olhar nos olhos daquele que foi o presidente que de fato se preocupou e trabalhou para mudar radicalmente a realidade do povo no interior do Nordeste.

A mistura de ritmos, sotaques e cores de vestuário já dava um indício, por si só, da diversidade pulsante que corre nas veias da Unilab.

Um sonho que conecta Brasil e África
A universidade impressiona especialmente por mostrar como políticas feitas tendo o povo em primeiro lugar pode impactar vidas não só no Brasil, mas também em todo o mundo.

“Demorei 27 anos para realizar o sonho. Desejei isso esse tempo todo, e só realizei graças a Lula e à Unilab”, comentava emocionada, minutos antes da cerimônia, a formanda Katia Cristina de Jesus, 43.

A alegria em seu sorriso se explicava por uma conquista dupla: sua filha de 17 anos cursa o último ano do Ensino Médio e tem firme a perspectiva de ingressar também num curso de Ensino Superior de qualidade.

“Com certeza vai ser mais fácil para ela do que foi para mim, graças ao que Lula fez. Chegar à universidade é uma conquista muito forte para a minha família, e é muito satisfatório saber que para ela será mais fácil chegar lá”, comemora.

Vindo do outro lado do Atlântico com um sonho comum ao de Kátia, Nando Paulo Suma, 20, se emocionou ao ouvir o hino de seu país, o Guiné-Bissau, na cerimônia de formatura de seus colegas.

“Saí do meu país com o propósito de estudar nesta universidade porque gostei da proposta de integração, na qual conheci colegas de diferentes países da África e também do Brasil. É uma experiência muito interessante, por isso fiquei muito satisfeito de ter Lula aqui, a pessoa que influenciou para esta universidade ser o que é”, afirma o estudante do segundo semestre de Humanidades.

Seu colega e compatriota Flavio Rosário, 28, é forte defensor de que esse inspirador modelo de integração seja aplicado em universidades Brasil afora.

“Gosto muito desse curso, que existe graças a Deus e ao Lula. Essa integração nos ajuda a conhecer a cultura de países que ninguém conhece. Hoje pela primeira vez vi Lula com meus olhos nus, e fiquei muito contente, me faltam palavras. Lula é uma pessoa ungida de Deus.”

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]